Titubá
Divulgação "Eu estou aqui, mas não queria" de Titubá Produções.
Publicidade

Vozes femininas que contam suas próprias histórias.

Em plena quarentena surge Titubá, uma produtora audiovisual formada apenas por mulheres. A Titubá Produções nasceu após o desenvolvimento do curta “Eu estou aqui – mas não queria” que será lançado neste dia 8 de maio no YouTube. Um filme em formato de vídeo-poema que aborda de forma delicada uma realidade que atinge muitas mulheres: o abuso.

“Escrevi o texto em que percebi que precisava romper com silêncio há muito tempo guardado e ao me aproximar e ouvir as histórias de outras mulheres encontrei relatos semelhantes. Surgiu então, a necessidade de compartilhar o texto com o máximo de pessoas possível, aproximar as palavras e as vivências para que mais mulheres se encontrem e se apoiem… Esse processo de produção foi tão enriquecedor que percebemos que não deveríamos parar ali.”- Conta Jéssica Andrade, roteirista do filme que deu origem à Titubá Produções.

 

A produtora provém da busca por desenvolver projetos autorais que façam com que as espectadoras se identifiquem, compondo as narrativas à partir dos olhares dissidentes de mulheres com diferentes talentos trabalhando para criar um espaço próprio de expressão artística. É pensando nessa multiplicidade e união que a produtora baseia seus pilares: empoderamento, sororidade, acolhimento, segurança e reconhecimento, trazendo um olhar sensível e ao mesmo tempo potente, como os olhos de Tituba, considerada a primeira bruxa negra de Salém.

Como o projeto foi gerado por mulheres, a escolha do nome veio de forma natural, conjunta e poderosamente representada por TITUBA, mulher enigmática e sábia, que foi acusada e se declarou réu-confesso no famoso julgamento das Bruxas de Salém, mas com astúcia e inteligência conseguiu reverter o veredito que a levaria à fogueira e ser inocentada. Através do entendimento sobre a história de Tituba, veio a certeza de que seria o nome perfeito para representar esse trabalho.

“A Titubá busca desenvolver projetos artísticos que façam com que os espectadores se identifiquem e que de alguma formar essa mensagem possa ajudar o próximo.” – Gabriela Rodrigues – fotógrafa e editora da Titubá

 

Assumindo seu papel, a produtora criada em Curitiba no Paraná, luta por seu espaço enquanto mulheres que produzem conteúdo cultural, brindando às referências femininas históricas criminalizadas por serem mulheres e por serem livres – as bruxas de Salém.

“A maioria das produtoras de filmes (ou de qualquer coisa rs) são comandadas por homens e tem equipes com poucas mulheres ou nenhuma. Nós trazemos outra linguagem, outras ideias, a nossa visão.” – Isabela Café – artista de som

A junção de mulheres, e apenas mulheres, para produzi-lo gerou uma grande rede de apoio, onde todos os encontros para ensaio, pré-produção, gravação e finalização era também um espaço catártico para compartilhamento de histórias pessoais e cotidianas de abusos, silenciamentos, dores, de espinhos quase invisíveis.

“A Titubá pra mim é mais que um trabalho, é a minha ligação com pessoas incríveis e positivas que fazem com que me sinta sempre capaz de conquistar muitas coisas além da arte.” – Fabiana Milhas – produtora

O filme e todo o seu processo de produção traz a semântica da cura e da representatividade. De uma mulher se enxergando na outra e se reconhecendo em cada fala. A cada frase, mais nítido fica o entendimento que é possível romper o ciclo de violência e criar uma corrente de apoio mútuo.

“Os vários encontros em alguns projetos audiovisuais entre nós e as experiências compartilhadas à partir deles fizeram óbvia a necessidade de nós, enquanto mulheres, assumirmos o controle de nossas próprias histórias e dos nossos próprios jeitos de contá-las… A produtora então fica representada pela identidade latina, não branca e astuta, que consegue, com sua sabedoria, dobrar uma sociedade tosca e moralista (muito parecida com a nossa).” – Nathalia Tsiflidis – Diretora e produtora

É de toda essa força vinda de Tituba que Gabriela Rodrigues, Jéssica Andrade, Fabiana Milhas, Isabela Café e Nathalia Tsiflidis buscam o ímpeto para seu trabalho. Uma reunião de mulheres tomando decisões, pensando juntas, movendo uma ideologia, e produzindo arte, o que há 328 anos atrás seria certamente um caminho para a fogueira, hoje traz a ressignificação de que isso é, de fato, motivo de orgulho.

 

Serviço:

Lançamento do filme “Eu estou aqui, mas não queria”

8 de maio de 2020

YouTube:  Tituba Produções

Instagram: @TitubaProduções

Facebook: @TitubaProduções

Assessoria de Comunicação: Amanda Lyra

Publicidade

Deixe uma resposta