Publicidade

2/10/2020 –

Nomeada #aculturanaopara , a campanha pretende ajudar artistas independentes e produtoras a seguirem ativos em meio à crise

Desde o início da crise causada pela Covid-19 no Brasil, todos os setores da economia foram atingidos de alguma maneira negativa e tiveram que se reinventar e readaptar. Alguns setores, entretanto, vêm sendo mais atingidos economicamente que outros e um dos principais é a cultura.

De acordo com Douglas Nicolau, CEO da Incentiv.me, startup de inovação tributária, a campanha incentiva as pessoas a refletirem sobre a importância da cultura no seu cotidiano. “Se parar agora e pensar se é possível passar pelo menos um dia sem consumir algo da cultura, durante todo o seu ano ficar sem: consumir, escutar, assistir, ler ou fazer atividades que não estejam relacionadas à cultura, provavelmente esse dia não existirá. E faz todo o sentido. O nosso cotidiano é rodeado de cultura o tempo todo”, sugere. O CEO explica que estando no trânsito, ouvindo a rádio, a música faz parte da cultura. Um streaming: cultura. Uma live — que se tornou tão comum em tempos de pandemia, atividade cultural.

A cultura é algo inerente à vida das pessoas. É o que mostram os dados do então Ministério da Cultura brasileiro. Os setores culturais e criativos no Brasil movimentam R$ 171,5 bilhões por ano. Isso equivale a quase 3% de todo o PIB do país. A previsão inicial para o período de 2020/2021 era de que esses setores gerassem R$ 43,7 bilhões para o PIB brasileiro. Com o início do segundo semestre do ano, os resultados preliminares da pesquisa Percepção dos Impactos da Covid-19 nos Setores Culturais e Criativos do Brasil mostram que foi justamente esse o setor mais foi afetado pela pandemia do novo coronavírus. E eles tendem a voltar à atividade só no fim da crise.

“Pensando em um estado como o de São Paulo, onde quase 1,5 milhão de pessoas vivem da cultura, o apoio a esse público se mostra mais que necessário nesse momento de crise”, complementa a COO da Incentiv.me e musicista Thais Nicolau. Diversos estudiosos do setor, acreditam que, apesar de serem os últimos a voltar às atividades usuais, a cultura pode ser uma das protagonistas na retomada econômica do país no pós-pandemia “Para tanto, é necessário que se viabilize a sobrevivência dos diversos pilares envolvidos com o setor”, sugere. Por esse motivo, a campanha #aculturanaopara pretende auxiliar exatamente este público que, em sua maioria, não possui renda fixa — no país todo, 44% dos trabalhadores da cultura atuam de forma autônoma e sem renda fixa, dados do IBGE.

A ideia é dar visibilidade a grandes projetos culturais que fazem parte da plataforma Incentiv.me para que as empresas ou pessoas possam redirecionar parte de seus impostos a esses projetos. “Essa é a garantia de que, quando a crise passar, a retomada seja garantida”, conclui o CEO.

Direcionamento de impostos

As empresas e pessoas, em vez de pagar 100% dos impostos ao governo federal, podem direcioná-los diretamente a um projeto ou causa social. A Incentiv.me atua como mediadora neste processo, dando o suporte para que o imposto seja direcionado para os projetos com as quais a marca se identifica.

Website: https://empresas.incentiv.me/aculturanaopara/

Publicidade

Deixe uma resposta